Serviços em cloud computing: as empresas estão mudando sua forma de utilizar

Quando a computação em nuvem começou, no início da década de 60, o conceito de serviços em cloud computing sequer existia. Para muita gente, esse conjunto de palavras só era usado para demonstrar um conhecimento vazio por quem trabalhava com os primórdios da tecnologia da informação, e não agregava praticamente nenhum valor ao que estivesse relacionado. Esse demérito infundado permaneceu por algum tempo, e até o final dos anos 90 e início do século 21 era comum encontrar defensores da tese de que “o benefício de investir em nuvem não compensaria o investimento”.

Felizmente o tempo passou mais um pouco e se pudéssemos conversar hoje com alguém que tivesse deixado de investir em cloud há 20 anos, certamente perceberíamos o tom de arrependimento na fala. A previsão atualizada é que até 2020 os investimentos em serviços baseados na computação em nuvem chegarão a US$ 68,4 bilhões. A transformação fará os tradicionais data centers serem concentrados apenas por empresas cujo armazenamento de dados seja o negócio principal e estas, por sua vez, não possam terceirizar a utilização dessas máquinas. Para todas as outras, o caminho é o uso do software como serviço (SaaS).

Hoje as vantagens da nuvem sobre infraestruturas tradicionais é um ponto pacífico entre os decisores de TI das empresas e os estudiosos do assunto: a remoção de servidores, a evolução dos aplicativos internos, a melhoria e o barateamento proporcional do suporte e a disponibilidade 24X7 dos serviços sem que o cliente tenha que se preocupar (leia-se gastar) a mais com isso estão no topo da lista. De fato, essa evolução foi gradativa ao longo dos últimos anos, e em alguns momentos enfrentou resistências e desconfianças mas a própria forma de contratação, muito mais simplificada do que as soluções tradicionais, mostraram como é possível economizar e receber serviços melhores.

Serviços em cloud computing: cultura madura expande a utilização

A forma com a qual muita gente encarava a nuvem e as possibilidades trazidas por ela para o mundo corporativo acabaram impulsionando e encorajando a mudança para o modelo que impera na atualidade. A principal foi a derrubada de uma barreira outrora intransponível para a época que hoje praticamente não existe mais: o ambiente corporativo pode ser onipresente, sem nenhum tipo de limitação técnica.

Por meio da nuvem, as redes corporativas baseadas em intranets deixaram de ser complexas e exigir grande quantidade de recursos humanos e técnicos para funcionar. Além disso, a conexão de máquinas a partir de qualquer lugar do mundo por meio de uma solução baseada em cloud permitiu que empresas e colaboradores se tornassem mais produtivos e aumentassem a lucratividade dos seus negócios.

Mudar para a nuvem simplifica os processos para a obtenção de resultados. Por meio de plataformas de comunicação unificada, por exemplo, é possível conectar equipes por meio da internet com qualidade, estabilidade e segurança. Isso significa a possibilidade de deixar de lado soluções que dependem de múltiplos fornecedores e exigem um reforço técnico constante e intenso, o tempo inteiro.

Novas formas de executar as mesmas tarefas

A adoção da nuvem pode ser uma solução adequada que para os diretores e setores táticos do negócio. As oportunidades são diversas e dependendo das necessidades da organização, é possível encontrar um ecossistema completo que inclua comunicação como serviço (CaaS), segurança e escalabilidade.

Ter a opção de encontrar serviços em cloud computing iguais ou melhores aos que estão disponíveis em softwares e hardwares tradicionais dá mais flexibilidade à empresa, permitindo que ela concentre investimentos na sua atividade principal, em desenvolvimento de novos produtos e serviços e na inovação. Essa opção torna-se cada vez mais viável porque utilizar a nuvem está mais seguro, rápido e fácil, graças ao avanço das legislações internacional e brasileira sobre a gestão de dados e a neutralidade da rede.

Esses consumidores têm testemunhado esse movimento, sobretudo entre os segmentos de cloud pública e privada. Isso é extremamente positivo, pois evidencia a importância de empresas que atuam como intermediárias no mercado e também mantêm estruturas próprias que podem alocar recursos do cliente.

Se a sua empresa ainda não decidiu migrar os principais recursos — sobretudo de comunicação — para a nuvem, leia o nosso blog e conheça as tecnologias que garantem a prestação de serviços mais qualificados e eficientes para o ambiente corporativo. No nosso site você pode encontrar ainda informações sobre as plataformas e o que já é possível ser entregue aos data centers para reduzir os custos e otimizar o custo de manutenção do seu negócio.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *