Quais as diferenças entre SaaS e cloud computing?

Sempre que o assunto é tecnologia e como ela pode ajudar as empresas a serem mais rentáveis, eficientes e modernas essa pergunta aparece. Geralmente feita por quem tem o poder econômico da tomada de decisão, ela apresenta uma dúvida que justamente por ser considerada simples demais pelos especialistas, é cercada de desinformação e entendimentos equivocados. E não são só os “leigos” em TI que não sabem qual é a diferença entre SaaS (Software as a Service, ou Software como Serviço) e cloud computing (computação em nuvem): muitos especialistas não conseguem diferenciar um termo do outro na hora de ajudar a direção da organização a escolher um caminho para a política de tecnologia do negócio.

De fato, os dois conceitos são muito próximos e intimamente ligados, mas estão longe de serem a mesma coisa. Basicamente, todo SaaS vai depender da nuvem mas nem toda a nuvem será SaaS. Isso porque a cloud computing pode reunir diversas soluções que não dependem de recursos on premises para funcionar, atendendo às necessidades corporativas de segurança de dados, comunicação e escalabilidade, entre outras.

Serviços como esses fazem parte de uma das camadas que formam a nuvem. Elas compreendem pelo menos quatro patamares com núcleos de atuação, solução e graus de complexidade diferentes, que podem ser atendidos por softwares como serviço (SaaS) específicos para as seguintes atividades:

 

  • Patamar 1: nível de infraestrutura. É nela que concentram-se os serviços de hospedagem de capacidade computacional, armazenamento de dados e outros, todos considerados mais básicos e importantes. Sobre ela são desenvolvidas outras soluções para o ambiente corporativo;

 

  • Patamar 2: nível de desenvolvimento e de serviços de gerenciamento da nuvem. Aqui estão as APIs de integração e as plataformas de criação de sistemas e aplicações, que dependem fundamentalmente da camada anterior;

 

  • Patamar 3: nível de aplicações. Todas as soluções do tipo Software as a Service são classificadas dessa forma, assim como as aplicações da internet que se caracterizam pela interação direta e ativa do usuário. É a parte mais perceptível da computação em nuvem justamente por ser a mais usada pelo cliente final (consumidor em geral);

 

  • Patamar 4: nível de processos. Aqui há transações que relacionam tudo o que foi desenvolvido ou implantado por meio das camadas anteriores, e um bom exemplo é todo o movimento de terceirização de processos de negócios que usam a tecnologia da informação — também chamados de Business Process Outsourcing (BPO, na sigla em inglês).

Apesar das diferenças e dos níveis de operação e complexidade distintos, essas formas de contratação de um serviço de TI têm o propósito de permitir a otimização dos custos e dos investimentos das empresas no core do negócio. E a computação em nuvem, com a possibilidade de redução de custos de infraestrutura e equipes locais, pode fazer isso acontecer de forma mais rápida e eficiente.

SaaS e cloud computing abrem novas possibilidades para equipes de TI

Empresas que migram para a computação em nuvem e adotam SaaS em substituição à outras formas de contratação de tecnologia (on premises ou locação) ganham em gerenciamento de recursos técnicos e humanos. Como os responsáveis pelo monitoramento do funcionamento dos recursos e atualizações são do prestador do serviço, as equipes locais podem se concentrar em novas rotinas que contribuam ainda mais com o crescimento do negócio.

Depois da migração concluída, o gerente de TI precisa estar atento à pergunta: quais são os novos focos da equipe que permitirão melhorar a fluidez de dados e a eficiência operacional da corporação? Como alguns dos chamados emergenciais deixarão de existir, será possível:

  • Investir em treinamentos para os técnicos e gestores;
  • Focar em projetos que elevem o desempenho dos processos internos como gestão de estoque, compras, vendas, comissões e emissão de notas fiscais;
  • Buscar posicionamento em assuntos de transformação digital como mobilidade, experiência do usuário e outros;
  • Concentração dos recursos humanos no desenvolvimento de estratégias que fomentem o crescimento sustentado e flexível do negócio.

 

A utilização e popularização dos recursos baseados na nuvem também proporciona a coleta e análise de dados, sejam eles internos ou de redes sociais, por exemplo, que se submetidos aos conceitos de big data e analytics vão permitir o acesso à informações que podem ser convertidas em vendas e movimentos estratégicos de mercado.

Escalabilidade

Não se preocupar com a aquisição da infraestrutura necessária para usar determinado serviço é um aspecto positivo para o ambiente corporativo. Imagine que a computação em nuvem permite fazer isso ao facilitar a expansão da quantidade de canais para atendimento ao cliente no call center por meio de uma configuração de software, apenas, e não exigindo a substituição ou compra de novos equipamentos.

É justamente essa característica, da escalabilidade, que permitiu às multinacionais, por exemplo, permanecerem conectadas com escritórios em qualquer lugar do mundo a partir de recursos modernos e eficientes de comunicação  sem que os custos com telefonia surpreendam todos os meses. Praticamente todos os modelos de gestão de tecnologia da informação atuais têm na escalabilidade uma importante aliada e obtém, dessa forma, mais capacidade de atendimento e economia de custos.

Atualização da TI

Repensar a estratégia de tecnologia da informação da empresa e direcioná-la para um conceito de cloud por meio do uso maciço de SaaS alça a corporação a outro patamar tecnológico: o dos grupos que serão onipresentes até 2020, segundo a pesquisa Internet & American Life Project: The Future of the Internet IV. O levantamento feito por especialistas internacionais aponta que até o final desta década, a maioria das pessoas terá acesso a aplicações de software online e vai trocar informações por meio de redes distantes.

As ferramentas vão permitir a elas alcançar outro patamar de relações sociais e de trabalho, viabilizando inclusive a melhoria da qualidade de vida dos colaboradores e o atingimento de patamares de desenvolvimento não previstos no passado.

Para saber mais sobre como o SaaS e a nuvem podem transformar o seu negócio e a sua vida, leia os outros conteúdos no nosso blog e veja soluções que ajudam a atingir esse objetivo no nosso site.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *