Como fazer transcrição de áudio multicanal

A documentação de reuniões, as formalizações de contratos, os atendimentos prestados aos clientes e outras relações nas esferas corporativa, de consultoria, de prestação de serviços ou judicial avançou significativamente nos últimos anos. Antes as instituições procuravam  contar com um profissional que convertesse em texto tudo o que fosse dito e registrasse em ata — eram os taquígrafos. Hoje existe uma nova possibilidade, mais rápida, precisa e até mais econômica, que funciona a partir da tecnologia: a transcrição de áudio multicanal.

O recurso é a evolução de uma solução desenvolvida há alguns anos mas que recentemente tornou-se muito mais precisa e eficaz. Graças à “inteligência” aumentada de dispositivos eletrônicos, a fala humana passou a ser reconhecida mais facilmente, com chances muito reduzidas e erros de entendimento e interpretação. Esse “aumento da capacidade de compreensão” de computadores, smartphones, televisores e outros equipamentos se dá por conta da capacidade de captação de áudio em alta definição dos microfones e dispositivos de áudio modernos, que no passado custavam muito caro mas hoje são encontrados por preços bastante competitivos.

Por conta dessa evolução, os dispositivos que captam áudio são capazes de “ouvir” o que é dito mesmo que o interlocutor esteja a vários metros de distância. Em uma sala com várias pessoas, por exemplo, basta um microfone posicionado no meio da mesa para que todos tenham suas vozes gravadas para consulta e referência futuras. Mas há um aspecto importante a ser considerado neste exemplo: quanto mais distante o microfone conseguir captar, maior a sua sensibilidade e consequentemente, maiores serão as chances de gravar também ruídos do ambiente, conversas paralelas e outras manifestações sonoras dispensáveis.

Sabendo dessas informações, surge a dúvida: qual é a melhor maneira de limitar essas interferências e garantir a qualidade do que é captado?

Transcrição de áudio multicanal: como manter a qualidade

Em primeiro lugar é importante considerar a possibilidade de preparar minimamente o ambiente. Não será preciso fazer uma reunião dentro de um estúdio profissional, obviamente. Mas se for possível evitar as salas mais ruidosas da empresa/organização, melhor.

Dentre os sons que podem atrapalhar a boa captação do áudio e causar desconforto aos ouvintes, estão:

  • corrente de ar ou vento forte na direção do microfone;
  • telefone celular perto do captador de áudio — neste caso, são três os ruídos provocados pelo aparelho que podem interferir:
    • radiofrequência característica instantes antes do recebimento de uma chamada;
    • vibração do dispositivo;
    • toque de chamada, quando o celular não estiver no modo silencioso;
  • manuseio de itens de copa, como copos, xícaras, talheres e bandejas;
  • movimentação de folhas de papel, sobretudo os de gramatura mais fina (folhas de jornal, revista, etc);
  • batidas repetidas na superfície onde está o microfone, como as causadas pelos anéis e alianças nas mãos ou por canetas seguradas pelos participantes;
  • reprodução de áudios a partir de computadores e smartphones em volume incompatível com a situação.

Escolhido o espaço e observadas essas situações, é importante orientar os participantes que eles não precisam aguardar alguém terminar de falar para se pronunciarem, mas é de bom tom que as conversas paralelas sejam evitadas e o foco no que está sendo tratado no encontro seja mantido. Isso vai agilizar e muito o processo de transcrição, que funcionará tanto melhor quanto maior for a clareza da fala de cada uma das pessoas de quem se deseja registrar o que é dito. Elas, por sua vez, não precisam falar alto nem se aproximar do microfone: basta que mantenha-se o tom de uma conversa, sem gritos nem sussurros. É possível manter todas as nuances da oralidade, que contribuem significativamente para a interpretação correta do conteúdo da mensagem.

Tecnologia disponível

Todo o processo de captação de áudio para a transcrição de falas mudou, e hoje há recursos muito mais precisos e eficientes do que os que eram utilizados no passado recente. Essa transformação tem uma causa: o avanço tecnológico da computação em nuvem (cloud computing).

Por meio dela, além de serem armazenados localmente, os sinais de áudio também podem ser processados, catalogados e salvos em um servidor que dará mais segurança e acessibilidade. Esse tipo de tecnologia tem sido desenvolvida por gigantes da internet como uma grande plataforma de suporte para outras soluções, mais especializadas, criadas por fabricantes nacionais.

Para o caso específico das gravações de encontros com várias pessoas, a nuvem é capaz de separar cada uma das vozes e transcrever o conteúdo que está sendo dito por elas em um arquivo de texto, devidamente identificado e nomeado. Funciona assim:

  • o participante 1 se manifesta na reunião;
  • o participante 2 responde;
  • um terceiro participante também fala, sobre o segundo;
  • todas essas três vozes são captadas pelo microfone e são encaminhadas para o sistema de transcrição de áudio multicanal por meio de uma placa de som, em tempo real;
  • já na nuvem (ou num servidor local, se for a preferência do cliente), o software identifica cada uma das vozes e escreve o que foi dito por elas;
  • no documento de texto cada uma recebe uma identificação, que pode ser genérica (participante 1, participante 2…) ou específica, usando o próprio nome de quem está na conversa;
  • as falas vão aparecendo no documento de texto na ordem em que foram proferidas e são separadas graças à inteligência artificial da plataforma, que é capaz de distinguir entre timbres vocais por mais parecidos que eles sejam;
  • todo o processo acontece em tempo real, de forma instantânea, sem a necessidade de que a transcrição seja feita depois.

Esse tipo de plataforma utiliza um recurso chamado processamento de linguagem natural, por meio do qual sistemas digitais conseguem captar, entender e distinguir as falas humanas. A funcionalidade oferece agilidade, já que o grau de acuracidade (precisão) é de 98% e a conversão da voz em texto acontece de forma instantânea.

Para reuniões em que vários participantes estejam falando e todas as manifestações precisem ser registradas, o recurso dá um ganho de produtividade praticamente incomensurável. Sem ele, um taquígrafo ou outro operador responsável pela transcrição teria que ouvir todo o material gravado depois e digitar o que fosse compreendido.

Esse processo manual, além de ser mais lento, é mais arriscado. Ele fica sujeito à clareza da dicção de cada falante, à boa qualidade do áudio, à necessidade de um bom fone de ouvido e ainda à capacidade de interpretação do ouvinte. Além de extenuante, esse trabalho exige concentração extrema e uma simples fala sobreposta pode comprometer a compreensão perfeita de um trecho crucial da conversa — inviabilizando a fidelidade do documento final.

Aplicações da transcrição de áudio multicanal

Como você já leu no nosso blog, o recurso da transcrição de áudio multicanal é uma ferramenta fundamental para diversas atividades: órgãos ligados ao governo, sobretudo o Poder Judiciário; polícia; empresas que realizam reuniões de conselho administrativo; meetings entre fornecedores e clientes. Em todas essas atividades — e em muitas outras — ter um documento de fácil acesso e busca para consultar a qualquer momento o que foi dito pode ser o diferencial entre uma boa negociação ou um fracasso comercial.

A documentação das reuniões e o arquivamento delas, não só por voz mas também em texto, é também uma boa prática de compliance no ambiente corporativo que tem sido adotada por organizações de diversos níveis, sobretudo nos anos mais recentes.

Para saber mais sobre como a transcrição de áudio multicanal pode melhorar as rotinas administrativas e gerenciais da sua empresa ou conhecer outras formas de aplicá-la na sua atividade, leia o nosso blog e acesse o nosso site.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *