Publicado: 29/07/2021Tempo de leitura: 8 min. - Última atualização: 31/08/2021

Como adequar seu call center à LGPD.

Publicado por

Marketing Dígitro

Marketing Dígitro

Conteúdos Especiais

Cuidar de dados pessoais faz parte da realidade das empresas de call center. Afinal, eles são expostos no atendimento durante as diversas etapas do serviço. Para garantir a segurança dessas informações, foi instituída a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD). 

O cliente é o maior beneficiado com a legislação. E, apesar de ter sido criada em 2018, muita gente ainda não a conhece. É o que diz a pesquisa realizada pela Boa Vista com mais de 500 pessoas no Brasil. Segundo ela, mais de 70% dos consumidores não sabem do que se trata a LGPD. Mesmo assim, 77% se preocupam com o uso indevido de seus dados pessoais e 53% dizem sempre tomar cuidado antes de informá-los a terceiros. Ainda, 88% dos entrevistados disseram que não se sentem seguros em fornecer o CPF em uma compra.  

O estudo ainda traz números que demonstram a importância de um call center se adequar à LGPD. Isso porque 40% da amostra afirmou ter sido vítima de fraude. Assim, para que você possa compreender ainda mais como sua central pode seguir a nova legislação, criamos este artigo. Mas, antes de mais nada, é preciso entender o que é e como funciona a Lei Geral de Proteção de Dados. Confira!

LGPD: conheça mais sobre essa lei 

Publicada em agosto de 2018, no Diário Oficial da União, a Lei Nº 13.709 dispõe da Lei Geral de Proteção de Dados, a LGPD. O objetivo dela é impossibilitar o uso indevido de informações de consumidores e clientes. Dessa forma, proíbe que informações sejam coletadas, manuseadas e compartilhadas sem autorização do usuário.

Antes da LGPD, as empresas podiam fazer cadastros e manusear informações livremente. Entretanto, práticas abusivas, como a venda de banco de dados cadastrais, deram mais força à criação da lei. Esta que foi baseada na Lei Geral de Proteção de Dados Europeia ― GDPR

Nas regras da LGPD, há critérios quanto aos cuidados com dados sensíveis. Assim como a transparência em relação ao uso deles. Também, no que se refere ao cumprimento de pedidos de esquecimento de informações, se um cliente pedir. Entretanto, há algumas exceções para tratá-las sem o consentimento do usuário, tais como alguns dos exemplos a seguir:

  • preservação da vida e integridade física de um indivíduo;
  • aplicação de estudos por meio de órgãos de pesquisa;
  • realização de política pública prevista em lei;
  • cumprimento de uma obrigação legal;
  • defesa dos direitos de um processo;
  • para evitar fraudes contra o titular;
  • proteção ao crédito.

É importante mencionar que o não cumprimento da LGPD pode resultar em multas de até 2% do faturamento da empresa. Outra informação de destaque é que a lei entraria em vigor em agosto de 2020, dando às organizações 2 anos para se adaptarem. Mas, devido à pandemia de Covid-19, passará a valer a partir de 1º de agosto de 2021.

Veja o porquê de adequar o seu call center à LGPD 

Sem dúvidas, a LGPD já está impactando bastante o setor de call center. Afinal, essa área realiza contínuos registros e cadastros constantemente e, por isso, coleta muitos dados sensíveis. Esse processo continuará igual, as empresas estão autorizadas a colher e trabalhar com essas informações. Porém, agora, precisarão ser transparentes sobre sua finalidade. Sendo assim, é necessário ter uma comunicação clara com o titular, explicando qual será o uso das informações e que somente serão utilizados se ele autorizar. Sem o consentimento do usuário, nem pensar!

Quando falamos em dados sensíveis, referimo-nos ao nome, números de documentos, endereço, profissão, e-mail, preferências, entre outros. Eles são utilizados em diversos momentos da prestação de serviço de um call center. Assim, para se adequar à LGPD, é preciso regular os sistemas de preenchimento de cadastro, a pedido pela Lei de Proteção de Dados, de acordo com o consentimento do uso de informações. Além disso, é necessário avaliar os aspectos jurídicos sobre a utilização de informações pessoais. 

Ainda é preciso instruir sua equipe a criar a prática de comunicar ao cliente o porquê de coletar dados e qual a finalidade. Também, não se esqueça de informar que sua empresa está adequada à LGPD. 

Confira 3 dicas para seu call center se adequar à LGPD

Até o momento, você conheceu um pouco sobre a LGPD e pôde entender o porquê de adequar seu call center a ela. Agora, para ajudar a regular seu negócio à Lei Geral de Proteção de Dados, separamos 3 dicas para compartilhar. Continue a leitura e confira!

1. Acate o que o cliente deseja

Caso o consumidor deseje ter suas informações deletadas pela empresa, é preciso fazer isso. Até porque, com a LGPD, manter dados sem consentimento do usuário, poderá resultar em penalização e multa para o seu call center.

Por isso, é importante que todos os colaboradores tenham conhecimento de que o consumidor tem autonomia e propriedade sobre suas informações. No caso dessas pessoas, que não querem deixar seus dados armazenados, é preciso coletá-los a cada novo contato. Entretanto, se o cliente autorizar esse processo, não será preciso realizá-lo novamente ― somente quando precisar de alguma atualização.

Além de estar dentro da lei, respeitar a decisão do consumidor passará confiança e credibilidade a ele. E essa prática também ajuda a melhorar a experiência do consumidor e a fortalecer o relacionamento entre call center e usuário.

2. Conte com profissionais capacitados e atualizados

Com uma equipe capacitada e atualizada, será possível ter menos riscos de problemas na adequação à LGPD e de penalizações. Por isso, os profissionais precisam conhecer todos os aspectos da lei. Não só na teoria, mas na prática. Todo o time tem que saber como excluir os dados ou armazená-los, por exemplo.

Uma dica é que a empresa promova treinamentos constantes, não só para atualizá-los sobre a legislação. Porém, também para que possam se sentir motivados a otimizarem ainda mais seus atendimentos. 

3. Automatize processos e evite erros

Muitos processos dentro de um call center podem ser automatizados com a ajuda de plataformas específicas. Elas ajudam na coleta e tratamento de dados com maior precisão e menor chance de erros. 

Você pode optar por soluções específicas, como um gravador de chamadas para registrá-las de forma segura e eficiente. Há softwares que fazem o registro de chamadas de voz, chat e e-mail em um único ambiente. Como é o caso do Record.

Outra solução que não pode faltar no seu call center para ajudar a seguir a LGPD é um NOC – Network Operation Center. Esse sistema monitora a sua estrutura de T.I. por 24h, disponibilizando acompanhamento sem interrupção. Além disso, reduz custos, fornece métricas e muito mais. 

E, claro, todo call center que deseja se adequar à LGPD e automatizar seus serviços, precisa contar com uma plataforma completa. Esta, deve possuir uma série de ferramentas que proporcionem melhores resultados à sua central de atendimento. Uma dica de software é o Interact, da Dígitro. 

Gostou de entender melhor como se aplica a LGPD ao seu call center? Então, que tal saber, também, como encantar o cliente com o atendimento do contact center? E para continuar a receber informações sobre LGPD e central  de atendimento, visite nosso blog regularmente.

Fale com a gente (chat)
Preencha as informações abaixo para iniciar o atendimento
Chat by Interact, da Dígitro